terça-feira, 6 de setembro de 2016

HOMILIA DO PAPA FRANCISCO NA CANONIZAÇÃO DA MADRE TERESA DE CALCUTÀ

«Qual o homem que conhece os desígnios de Deus?» (Sab 9,13). Esta interrogação do Livro da Sabedoria, que escutamos na primeira leitura, apresenta-nos a nossa vida como um mistério, cuja chave de interpretação não está em nossa posse. Os protagonistas da história são sempre dois: Deus de um lado e os homens do outro. A nossa missão é perceber a chamada de Deus e aceitar a sua vontade. Mas para aceitá-la sem hesitar, perguntemo-nos: qual é a vontade de Deus na minha vida?
No mesmo trecho do texto sapiencial encontramos a resposta: «Os homens foram instruídos no que é do Vosso agrado» (v 18). Para verificar a chamada de Deus, devemos perguntar-nos e entender o que Lhe agrada. Muitas vezes, os profetas anunciam o que é agradável ao Senhor. A sua mensagem encontra uma síntese maravilhosa na expressão: «Misericórdia quero, e não sacrifício» (Os 6,6; Mt 9,13). Para Deus todas as obras de misericórdia são agradáveis, porque no irmão que ajudamos, reconhecemos o rosto de Deus que ninguém pode ver (cf. Jo 1,18). E todas as vezes em que nos inclinamos às necessidades dos irmãos, dêmos de comer e beber a Jesus; vestimos, apoiamos e visitamos o Filho de Deus (cf. Mt 25,40). Em definitiva, tocamos a carne de Cristo.
Estamos chamados a por em prática o que pedimos na oração e professamos na fé. Não existe alternativa para a caridade: quem se põe ao serviço dos irmãos, embora não o saibamos, são aqueles que amam a Deus (cf. 1 Jo 3,16-18; Tg 2,14-18). A vida cristã, no entanto, não é uma simples ajuda oferecida nos momentos de necessidade. Se assim fosse, certamente seria um belo sentimento de solidariedade humana, que provoca um benefício imediato, mas seria estéril, porque careceria de raízes. O compromisso que o Senhor pede, pelo contrário, é o de uma vocação para a caridade com que cada discípulo de Cristo põe ao seu serviço a própria vida, para crescer no amor todos os dias.
Escutamos no Evangelho que «seguiam com Jesus grandes multidões» (Lc 14,25). Hoje, a “grande multidão” é representada pelo vasto mundo do voluntariado, aqui reunido por ocasião do Jubileu da Misericórdia. Sois aquela multidão que segue o Mestre, e que torna visível o seu amor concreto por cada pessoa. Repito-vos as palavras do apóstolo Paulo: «Tive grande alegria e consolação por causa do teu amor fraterno, pois reconfortaste os corações dos santos» (Flm 7). Quantos corações os voluntários confortam! Quantas mãos apoiam; quantas lágrimas enxugam; quanto amor é derramado no serviço escondido, humilde e desinteressado! Este serviço louvável dá voz à fé   dá voz a fé!   e manifesta a misericórdia do Pai que se faz próximo daqueles que passam por necessidade.
Seguir Jesus é um compromisso sério e ao mesmo tempo alegre; exige radicalidade e coragem para reconhecer o divino Mestre no mais pobre e descartado da vida e colocar-se ao seu serviço. Para isso, os voluntários que servem os últimos e necessitados por amor de Jesus não esperam nenhum agradecimento ou gratificação, mas renunciam tudo isso porque encontraram o amor verdadeiro. E cada um pode dizer: “Como o Senhor veio até mim e se inclinou sobre mim na hora da necessidade, assim vou ao seu encontro e me inclino sobre aqueles que perderam a fé ou vivem como se Deus não existisse, sobre os jovens sem valores e ideais, sobre as famílias em crise, sobre os enfermos e os prisioneiros, sobre os refugiados e imigrantes, sobre os fracos e desamparados no corpo e no espírito, sobre os menores abandonados à própria sorte, bem como sobre os idosos deixados sozinhos. Onde quer que haja uma mão estendida pedindo ajuda para levantar-se, ali deve estar a nossa presença e a presença da Igreja, que apoia e dá esperança”. E fazê-lo com a memória viva da mão do Senhor estendida sobre mim quando eu estava por terra.
Madre Teresa, ao longo de toda a sua existência, foi uma dispensadora generosa da misericórdia divina, fazendo-se disponível a todos, através do acolhimento e da defesa da vida humana, dos nascituros e daqueles abandonados e descartados. Comprometeu-se na defesa da vida, proclamando incessantemente que «quem ainda não nasceu é o mais fraco, o menor, o mais miserável». Inclinou-se sobre as pessoas indefesas, deixadas moribundas à beira da estrada, reconhecendo a dignidade que Deus lhes dera; fez ouvir a sua voz aos poderosos da terra, para que reconhecessem a sua culpa diante dos crimes  diante dos crimes!   da pobreza criada por eles mesmos. A misericórdia foi para ela o “sal”, que dava sabor a todas as suas obras, e a luz que iluminava a escuridão de todos aqueles que nem sequer tinham mais lágrimas para chorar pela sua pobreza e sofrimento.
A sua missão nas periferias das cidades e nas periferias existenciais permanece nos nossos dias como um testemunho eloquente da proximidade de Deus junto dos mais pobres entre os pobres. Hoje entrego a todo o mundo do voluntariado esta figura emblemática de mulher e de consagrada: que ela seja o vosso modelo de santidade! Parece-me que, talvez, teremos um pouco de dificuldade de chamá-la de Santa Teresa: a sua santidade é tão próxima de nós, tão tenra e fecunda, que espontaneamente continuaremos a chamá-la de “Madre Teresa”. Que esta incansável agente de misericórdia nos ajude a entender mais e mais que o nosso único critério de ação é o amor gratuito, livre de qualquer ideologia e de qualquer vínculo e que é derramado sobre todos sem distinção de língua, cultura, raça ou religião. Madre Teresa gostava de dizer: «Talvez não fale a língua deles, mas posso sorrir». Levemos no coração o seu sorriso e o ofereçamos a quem encontremos no nosso caminho, especialmente àqueles que sofrem. Assim abriremos horizontes de alegria e de esperança numa humanidade tão desesperançada e necessitada de compreensão e ternura.

Campanha de doação de Sangue

Está a decorrer desde as 09.30 horas de hoje, 6 de Setembro de 2016, uma campnha de doação do precioso liquido, promovida pelo Centro de Referência Nacional de Doação de Sangue. Trata-se de um caminho que o Seminário tem feito com aquela Instituição, no sentido de colaborar no salvamento de vidas com a doação voluntária do precioso liquido.
Da página do nosso Blogger, queremos agradecer todos aqueles que irão conretizar o gesto de salvar vidas oferecendo parte da sua própria vida.
DAR SANGUE É SALVAR UMA VIDA.

domingo, 4 de setembro de 2016

I Visita do Mons Cristiano, Secretário da Nunciatura Apostólica

Na manhã do dia 03 de Setembro, Memória de S. Gregório Magno a comunidade do Seminário acolheu com muita alegria a primeira visita do Monsenhor Cristiano, novo Secretário da Nunciatura Apostólica em Moçambique.
 
A visita iniciou com um celebração eucarística às 10. 00 horas, seguida de um almoço de confraternização e visita ao Seminário.
 
Desde já e da nossa página, queremos agrdecer este gesto e imploramos a Deus copiosas graças ao Mons no testemunho da sua missão na nossa Igreja e Nação.

ACTIVIDADES PREVISTAS PARA O MÊS DE SETEMBRO

7 Acordos de Lusaka - Feriado Nacional
8 Palestra da ESPLENDOR (18 h)
9 Reunião com os Párocos  15.00 H
10 Retiro da Equipa Formadora
15 Encontro do Deão com os estudantes
16 Reunião Corpo Docente 15.00 H
17 Passeio do fim de curso - 3º Ano
25 Dia das FADM - Feriado Nacional
30_01 Retiro dos Seminaristas

Crónicas do mês de Agosto

O mês de Agosto foi vivido no Seminário sem sobressaltos, com realce para a prepração da festa do Padroeiro, Santo Agostinho.
 
06. 08.2016: Festa da Transfiguração. Neste dia, tivemos a graça de acolher no Seminário, o Mons José Luís Serrano, que celebrou  a eucaristia de acção de graças pela missão em Moçambique. A Missa teve lugar na capela do Seminário e animada pelos Seminaritas e seguiu-se um momento de confraternização.
Da nossa página, queremos agradecer todo o trabalho desenvolvido por MOns José na nossa Igreja e  desde já, queremos expressar os nossos caloros votos de um bom trabalho junto da Igreja irmã da Nicaragua.
 
17 - 25.08.2016: Decorreu a preparação spiritual para a Solenidade do Padroeiro. Esta preparação consistiu em nove dias de oração (Novena) ao nosso Pai Santo Agostinho. Foi um momento intense de oração em que guiados pela Palavra de Deus e animados pelo Espírito, percorremos um itinerário de 9 dias, reflectindo sobre a obra e a vida epiritual do nosso Pai Agostinho.
 
27.08.2016: Sábado - Numa única Solenidade, celebramos a Festa do nosso Patrono e a Memória de Santa Mónica. A Missa foi presidida por S. Excia Rev.ma Dom Januário Machaze Nhangumbe, Bispo emérito da Diocese de Pemba, na presença de todas as forças vivas que tornam uma realidade a formação no nosso Seminário.
 
28-30.08.2016: O Pe Tonito, Reitor do Seminário, deslocou-se à Quelimane, a convite da Faculdade de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Católica de Moçambique, que celebrou o seu padroeiro (Santo Agostinho) no dia 29, para proferir uma Palestra sob o tema: A busca inquieta da Verdade em Santo Agostinho: um contributo para o academico na actualidade.

sábado, 25 de junho de 2016

Conselho de Notas

Às 10 horas de ontem, 24 de Junho, realizou-se o Conselho de Notas do I Semestre.
Do Gurúè, onde o Reitor se encontra no Curso de Formação peranente dos formadores dos Seminários diocesanos, recebemos a seguinte mensagem:


"Digníssimos Membros do Corpo Docente!
1.       Dirijo uma saudação especial a cada um de vós, desde a Diocese de Gurúè, onde me encontro a participar na Reunião Nacional dos Reitores dos Seminários e no Curso de formação permanente dos Formadores e promotores vocacionais diocesanos.
2.       Ausente fisicamente sinto-me muito unido a vós, razão pela qual não quis deixar passar esta ocasião sem manifestar a minha sincera gratidão a cada de um  pelo caminho que o Senhor nos permitiu ao longo do semestre. Obrigado pela Vossa abnegação e a fé em acreditar que com o nosso trabalho damos uma valiosa contribuição à Igreja para que tenha Presbíteros credíveis com um coração grande e generoso.
3.       Como membros do Corpo Docente, o conselho de notas deve ser um momento especial de um exame ad intra e ad extra para ver se os frutos colhidos correspondem aos esforços que empreendemos ao longo do semestre findo. Não só, o Conselho deve ser um momento para revisitar os nossos métodos, propor-se novas metas para melhor ajudar aos nossos futuros Presbíteros  a “saber”, a “saber ser” e a “saber fazer”.
4.       Com os olhos voltados ao Senhor saúdo e agradeço aos Docentes que não continuarão no II semestre. Orgulhoso pela vossa generosa entrega desmedida à causa da formação, confio-vos à poderosa intecessão da Bem Aventurada Virgem Maria, e desde já, renovo humildemente o pedido do vosso serviço no semestre em que os vossos cursos entrarão em acção.
5.       Aos novos Docentes formulo os meus votos de boas Vindas à nossa e Vossa Instituição. Obrigado pelo vosso sim e desde já imploro a Deus para que abençõe os vossos propósitos e intenções de servir esta Igreja colaborando na formação dos seus futuros presbíteros.

Muitíssimo obrigado"

Vosso irmão,
Pe Tonito Muananoua

sexta-feira, 24 de junho de 2016

CURSO DE FORMAÇÃO PERMANENTE

De 21 de Junho a 03 de Julho esta a decorrer  na Diocese de Gurúè, na casa diocesana um curso de formação permanente dos formadores e promotores vocacionais diocesanos.
O Curso foi precedido de um encontro Nacional dos Reitores e um retiro de dois dias, orientado pelo Padre Fernando Domingues, mccj, Secretário Geral da Pontifícia Obra de S. Pedro Apóstolo em Roma. Eis a lista dos participantes:



1. D. Francisco Lerma Martínez, Bispo de Gurúè
2. D. Manuel Chuanguira Machado, Bispo emérito de Gurúè
3. Pe Fernando Domingues, Secretário Geral da POSPA
4. Irª Felicidade Maria de Lurdes Luís, imc
5. Pe Marcos Mubango, Reitor S. Pio X
6. Pe Pedro Sebastião, Vice reitor S. Pio X
7. Pe. Eduardo Manuel C. Cumba, Dir . Esp. S Pio X
7. Pe Tonito Muananoua, Reitor Sem. Sto Agostinho-Matola
8. Pe Sílvio Anovo, Dir. Espiritual,  Sto Agostinho-Matola
9. Pe Eugénio Sigaúgue, Pref.  Estudos Cristo Rei Maputo
10. Pe Nelson B. Covete, Dir. Espiritual Cristo Rei Maputo
11. Pe Jorge Maluzane, Reitor Sem S. Lucas– Inhambane
12. Pe Pompílio Artur Ofinar, Reitor Bom Pastor Beira
13. Pe Abílio Patrício Januário,  Promotor Vocacional - Beira
14. Pe José da Cruz Muluta, Reitor Mater Apostolorum Nampula
15. Padre Rodrigues Januário, Dir Esp. Mater Apost.
16. Pe. Augusto Paulo, Vic.-reitor Sem. Fil. S. Carlos Luwanga Nampula
17. Pe José da Cruz Muluta, Reitor Mater Apostolorum Nampula
18. Padre Rodrigues Januário, Dir Esp. Mater Apost.

19. Pe. Augusto Paulo, Vice-reitor Sem. Fil. S. Carlos Luwanga Nampula
20.  Pe Gutemberg , Dir espiritual  São Paulo Pemba e promotor vocacional
21. Pe Artur Bernardo, Pro-reitor -  Seminário Propedêutico S. José—Gurúè
22. Pe Carlos Evaristo José - Vice reitor , Seminário Propoedêutico S. José– Gurúè


PROGRAMA
20.06.2016 - CHEGADAS
21-22/06 -  Reunião dos Reitores dos Seminários Diocesanos
23-24/06 - Retiro espiritual (Todos os formadores e promotores vocacionais)
25/06/2016 - Feriado Nacional - Visita aos lugares históricos
26/06/2016 - Solene concelebração na Sé Catedral do Gurúè, presidida por S. Excia Rev.ma Dom Francisco Lerma Martínez, Bispo de Gurúè e Presidente da Comissão Episcopal dos Seminários e Vocações
27/06 - 02/07 - Curso de Formação Permanente
03/07/2016 - Missa nas Paróquias promoção vocacional nas Comunidades cristãs
À tarde do dia 03/07/2016 ou manhã do dia 04/07/2016 -  PARTIDAS

TEMAS DAS CONFERÊNCIAS
27.06.2016 - 50 Anos do Concílio ecuménico Vaticano II e a Formação sacerdotal - Pe Marcos Campos Amélia Mubango, Magnífico Reitor do Seminário Teológico Interdiocesano S. Pio X—Maputo
28.06.2016 - Identidade e serviços dos Sacerdotes na Igreja Católica -  Pe Fernando Domingues, mccj—Secretário Geral da Pontifícia Obra de S. Pedro Apóstolo -  Roma
29.06.2016 - O Seminário Maior: componentes e responsabilidades - Pe Fernando Domingues, mccj - Secretário Geral da Pontifícia Obra de S. Pedro Apóstolo -  Roma
30.06.2016 - Psicologia e discernimento Vocacional: integração psico-espiritual -  Irª Felicidade Maria de Lurdes Luís, imc -  Docente na Escola dos Formadores da CIRM/CONFEREMO
01.06.2016 - Dinâmica  Pastoral vocacional nas Comunidades cristãs das nossas dioceses - Partilha dos relatórios dos promotores vocacionais diocesanos

ORADORES
Pe Fernando DOMINGUES, mccj -  Secretário Geral da Pontifícia Obra S. Pedro Apóstolo - ROMA
Pe Marcos Campos Amélia MUBANGO, Magnífico Reitor do Seminário Teológico Interdiocesano S. Pio X
Irª Felicidade Maria de Lurdes LUÍS, Missionária da Consolata e Docente na Escola dos Formadores da CIRM/CONFEREMO



ENTIDADE PROMOTORA
Comissão Episcopal dos Seminários e Vocações


EQUIPA COORDENADORA
Pe Marcos Campos Amélia Mubango
Pe Tonito José Francisco X. Muananoua





Agradecimentos:
Fundação Pontifícia Kirche In Not
Pontifícia Obra de S. Pedro Apóstolo
Conferência Episcopal de Moçambique

HORÁRIO
06.30 Horas -  Despertar
07.00 Horas -  Laudes e Meditação
07.45 Horas -  Pequeno almoço
08.30 Horas -  Início dos trabalhos
10.30 Horas -  Intervalo -  Café
11.00 Horas -  Continuação dos trabalhos
12.00 Horas -  Interrupção ( Hora Intermédia)
12.30 Horas -  Almoço - descanso
15. 00 Horas -  Retomada dos trabalhos
16.30 Horas -  Intervalo
17.00 -  18.00 -  Trabalhos (síntese do dia)
18.15 Horas -  Missa com Vésperas
19.30 Horas -  Jantar - recreio
===== Completas em particular—Descanso
Horário para os dias de retiro
( Sob as indicações do Pregador)


10 frases do Papa Francisco sobre a Formação

1. A formação [dos futuros sacerdotes] é uma obra de arte, não uma ação policial.

 

2. O fantasma que deve ser combatido é a imagem da vida religiosa entendida
 como refúgio e consolo diante de um mundo "externo" difícil e complexo.

 

3. Precisamos formar seus corações; do contrário, criaremos pequenos monstros.

 

4. Depois, esses pequenos monstros é que vão formar o povo de Deus.

 

5. Vencer a tendência ao clericalismo nos Seminários e nas casas de formação,
que é fruto da hipocrisia e do medo.

 

6. Se o Seminário é grande demais, é preciso separá-lo por comunidades,
 com formadores capazes de acompanhar realmente as pessoas.

 

7. A formação não pode ser orientada somente ao crescimento pessoal, mas também à sua perspectiva final: o Povo de Deus.

 

8. É necessário formar pessoas que sejam realmente testemunhas da ressurreição
 de Jesus.




 

9. O formador precisa pensar que a pessoa em formação será chamada a 
cuidar do povo de Deus.

 

10. Não formar administradores, mas pais, irmãos, companheirosde caminho.